Ajudando alguém com esquizofrenia

Superando Desafios Enquanto Cuidar de Você

O amor e o apoio da família e dos amigos desempenham um papel importante no tratamento da esquizofrenia. Se alguém próximo a você tem esquizofrenia, você pode fazer uma grande diferença ajudando essa pessoa a encontrar o tratamento certo e estratégias de auto-ajuda, lidar com os sintomas e construir uma vida satisfatória. Um diagnóstico de esquizofrenia não é uma sentença de vida para o seu ente querido. A recuperação é possível, especialmente com o seu apoio. Embora lidar com a esquizofrenia de um ente querido possa ser desafiador, essas estratégias podem ajudá-lo a orientar seu ente querido no caminho da recuperação sem perder de vista suas próprias esperanças e sonhos.

Minha amada tem esquizofrenia, como eu ajudo?

Se você tem um ente querido com esquizofrenia, você pode estar lutando com inúmeras emoções difíceis, incluindo medo, culpa, raiva e frustração. Você pode se sentir desamparado diante dos sintomas de sua amada, preocupado com o estigma da esquizofrenia ou confuso e envergonhado por comportamentos estranhos. Você pode até ser tentado a esconder a doença de sua amada de outras pessoas.

Para ajudar alguém com esquizofrenia, é importante:

  • Aceite a doença e suas dificuldades
  • Não acredite no mito de que alguém com esquizofrenia não pode melhorar ou viver uma vida plena e significativa
  • Faça o seu melhor para ajudar sua amada a se sentir melhor e aproveitar a vida
  • Preste atenção às suas próprias necessidades
  • Mantenha seu senso de humor e permaneça esperançoso

Dicas para ajudar um ente querido com esquizofrenia

  • Eduque-se. Aprender sobre a esquizofrenia e seu tratamento permitirá que você tome decisões informadas sobre a melhor forma de lidar com os sintomas, encoraje seu ente querido a buscar estratégias de autoajuda, lidar com contratempos e trabalhar para a recuperação.
  • Reduzir o estresse. O estresse pode causar sintomas de esquizofrenia, por isso é importante criar um ambiente estruturado e de apoio para o seu ente querido.
  • Defina expectativas realistas. É importante ser realista sobre os desafios da esquizofrenia. Ajude seu amado a definir e alcançar metas gerenciáveis ​​e seja paciente com o ritmo de recuperação.
  • Capacite seu amado. Tenha cuidado para não assumir o controle e fazer coisas para o seu ente querido que ele ou ela é capaz de fazer. Apoie o seu ente querido e, ao mesmo tempo, incentive o máximo de independência e auto-ajuda possível.

Dica 1: cuide-se

Cuidar de si mesmo não é egoísta. Na verdade, é tão importante para o seu ente querido com esquizofrenia que você cuida de suas próprias necessidades de saúde. A esquizofrenia pode colocar uma quantidade incrível de estresse na família. Pode tomar conta da sua vida e te queimar. E se você está estressado, você fará a pessoa com esquizofrenia estressar e desencadear ou exacerbar seus sintomas.

Uma vez que a adoção de hábitos de vida saudáveis ​​também é importante para o seu ente querido na gestão dos sintomas da esquizofrenia, cuidando da sua própria saúde, você pode agir como um modelo. Você pode até mesmo seguir alguns desses passos juntos, ajudando a motivar e incentivar uns aos outros.

Conecte-se com os outros. A interação social com alguém que se preocupa com você é a maneira mais eficaz de aliviar o estresse. É importante que você e a pessoa com esquizofrenia tenham outras pessoas com as quais você possa se conectar cara a cara - alguém com quem você pode conversar por um período ininterrupto de tempo, alguém que escute sem julgar ou se distrair continuamente. Essa pessoa pode ser um amigo, membro da família, membro do clero ou terapeuta profissional.

Faça exercícios regularmente A atividade física reduz o estresse e libera endorfinas, substâncias químicas poderosas em seu cérebro que energizam seus espíritos e fazem você se sentir bem. Se você se exercita sozinho, com um amigo ou com sua amada com esquizofrenia, procure por 30 minutos de atividade na maioria dos dias, ou, se for mais fácil, três sessões de 10 minutos.

Coma uma dieta saudavel. O que você come tem um impacto direto na maneira como você se sente. Minimizar o açúcar e carboidratos refinados, alimentos que levam rapidamente a um crash no humor e energia. Aumente a ingestão de ácidos graxos ômega-3 de peixes gordurosos, óleo de peixe, nozes e linhaça para ajudar a melhorar seu foco, energia e perspectivas. As mesmas dicas de dieta também podem ajudar a controlar os sintomas do seu ente querido.

Pratique a aceitação. Em vez de insistir na injustiça do diagnóstico de seu ente querido, aceite seus sentimentos, mesmo os negativos. Pode fazer uma enorme diferença na sua capacidade de lidar com o estresse e equilibrar o seu humor. Veja o Kit de Ferramentas de Inteligência Emocional do HelpGuide para saber mais.

Procure alegria. Dar tempo para diversão não é indulgente - é necessário. Programe tempo no seu dia para as coisas que você gosta, seja gastando tempo na natureza, visitando amigos ou lendo um bom livro. Incentive seu ente querido com esquizofrenia a fazer o mesmo.

Cuide da sua saúde. Negligenciar sua saúde só aumentará o estresse em sua vida. Durma o suficiente e fique por dentro de qualquer condição médica.

Use técnicas de relaxamento. Técnicas como meditação, respiração profunda, ioga ou relaxamento muscular progressivo podem frear o estresse e trazer a mente e o corpo de volta ao equilíbrio.

Dica 2: crie sua rede de suporte

Para melhor apoiar e cuidar de alguém com esquizofrenia, você precisa encontrar ajuda, encorajamento e compreensão dos outros. Quanto mais apoio você tiver, melhor será para você e sua amada.

Reconheça seus próprios limites. Seja realista sobre o nível de suporte e cuidado que você pode oferecer. Você não pode fazer tudo, e você não será de muita ajuda para um ente querido se estiver exausto, então procure ajuda onde puder.

Junte-se a um grupo de apoio. Conhecer outras pessoas que sabem em primeira mão o que você está passando pode ajudar a reduzir sentimentos de isolamento e medo. Grupos de apoio fornecem um local inestimável para os parentes de pessoas com esquizofrenia compartilharem experiências, conselhos e informações.

Volte para amigos e familiares confiáveis. Pergunte aos seus entes queridos se você pode pedir ajuda. A maioria das pessoas ficará lisonjeada com o seu pedido.

Procure novos amigos. Se você não sente que tem alguém a quem recorrer, nunca é tarde demais para construir novas amizades e melhorar sua rede de apoio.

Aproveite os serviços de suporte. Pergunte ao médico ou terapeuta do seu amado sobre serviços temporários e outros tipos de apoio disponíveis em sua área, ou entre em contato com hospitais locais e clínicas de saúde mental.

Dica 3: Incentivar o tratamento e a autoajuda

Encorajar o tratamento e a auto-ajuda é a base de ajudar um ente querido com esquizofrenia. Embora a medicação seja um elemento importante do tratamento da esquizofrenia, a recuperação da pessoa amada também depende de outros fatores. Estratégias de autoajuda, como mudar para uma dieta saudável, controlar o estresse, exercitar-se e buscar apoio social, podem ter um efeito profundo nos sintomas, sentimentos e auto-estima da pessoa amada. E quanto mais alguém fizer por si mesmo, menos desesperado e desamparado ele se sentirá, e mais provavelmente seu médico poderá reduzir sua medicação. Seu encorajamento e apoio podem ser cruciais para a pessoa amada começar e continuar um programa de auto-ajuda.

Começando o tratamento

Muitas vezes, o primeiro desafio do tratamento é convencer a pessoa com esquizofrenia a consultar um médico. Para as pessoas que experimentam delírios, alucinações e paranóia, não há necessidade de intervenção médica porque as vozes e as teorias da conspiração são reais.

Se um ente querido com esquizofrenia estiver relutante em consultar um médico, tente:

Forneça opções. Seu amado pode estar mais disposto a consultar um médico se ele tiver algum controle sobre a situação. Se o seu parente suspeitar de você, sugira que outra pessoa o acompanhe para a consulta. Você também pode dar a sua amada uma escolha de médicos.

Concentre-se em um sintoma particular. Alguém com esquizofrenia pode resistir a ver um médico com medo de ser julgado ou rotulado de "louco". Você pode tornar o médico menos ameaçador, sugerindo uma visita para lidar com um sintoma específico, como insônia ou falta de energia.

Dicas para apoiar o tratamento de esquizofrenia de um ente querido

  • Procure ajuda imediatamente. A intervenção precoce faz a diferença no curso da esquizofrenia, portanto, ajude seu ente querido a encontrar um bom médico e iniciar o tratamento.
  • Promover independência. Em vez de fazer tudo pelo seu amado, ajude-os a desenvolver ou reaprender habilidades que permitam uma maior independência.
  • Seja colaborativo. Quando o seu ente querido tem voz no seu próprio tratamento, eles estarão mais motivados a trabalhar para a recuperação.
  • Incentive a autoajuda. Como a esquizofrenia é muitas vezes episódica, os períodos de remissão dos sintomas mais graves podem fornecer uma oportunidade para o seu ente querido empregar estratégias de auto-ajuda que podem limitar a duração e a frequência de episódios futuros.

Dica 4: monitorar medicação

Uma vez em tratamento, o monitoramento cuidadoso pode garantir que seu ente querido permaneça no caminho certo e tire o máximo proveito da medicação.

Tome efeitos colaterais a sério. Muitas pessoas com esquizofrenia param de tomar a medicação por causa dos efeitos colaterais. Leve à atenção do médico quaisquer efeitos colaterais angustiantes, que possam reduzir a dose, mudar para outro antipsicótico ou adicionar medicação para combater o efeito colateral.

Incentive seu ente querido a tomar medicação regularmente. Mesmo com efeitos colaterais sob controle, algumas pessoas com esquizofrenia recusam a medicação ou têm dificuldade em lembrar sua dose diária. Calendários de medicamentos, caixas de comprimidos semanais e temporizadores podem ajudar. Alguns medicamentos estão disponíveis como injeções semanais ou mensais de longa duração em vez de comprimidos diários.

Tenha cuidado para evitar interações medicamentosas. Ajude seu ente querido a evitar qualquer interacção medicamentosa perigosa, dando ao médico uma lista completa dos medicamentos e suplementos que está a tomar. Misturar álcool ou drogas ilegais com medicação para esquizofrenia é prejudicial, então converse com o médico se o seu parente tiver um problema de abuso de substâncias.

Acompanhe o progresso do seu membro da família. Um diário ou diário é uma boa maneira de rastrear mudanças no comportamento, humor e outros sintomas do seu familiar em resposta à medicação.

Dica 5: Fique atento a sinais de recaída

Parar a medicação é a causa mais frequente de recaída na esquizofrenia, por isso é extremamente importante que o membro da sua família continue a tomar todos os medicamentos de acordo com as instruções. Embora a recaída possa ocorrer mesmo que uma pessoa esteja tomando a medicação prescrita, você pode evitar uma crise completa reconhecendo os sinais de alerta e tomando medidas imediatas.

Sinais comuns de aviso de recaída da esquizofrenia

  • Insônia
  • Retraimento social
  • Deterioração da higiene pessoal
  • Paranoia crescente
  • Hostilidade
  • Discurso confuso ou sem sentido
  • Desaparecimentos estranhos
  • Alucinações

Se você notar quaisquer sinais de recaída ou outras indicações de que os sintomas de esquizofrenia do seu familiar estão piorando, chame o médico imediatamente.

Dica 6: Prepare-se para situações de crise

Apesar de seus melhores esforços para evitar a recaída, pode haver momentos em que a condição de sua amada se deteriora rapidamente e a hospitalização é necessária para mantê-la segura. Ter um plano de emergência pronto para um episódio psicótico agudo irá ajudá-lo a lidar com a crise com segurança e rapidez. Um bom plano de emergência para alguém com esquizofrenia inclui:

  • Informações de contato de emergência para o médico e os terapeutas de sua amada.
  • O endereço e número de telefone do hospital para onde você vai para internação psiquiátrica.
  • Amigos ou parentes que cuidarão de outros filhos ou dependentes enquanto você lida com a crise.

Também é aconselhável passar por cima do plano de emergência com o seu familiar. A situação de crise pode ser menos assustadora para a pessoa amada, se ela souber o que esperar durante uma emergência.

10 dicas para lidar com uma crise de esquizofrenia

  1. Lembre-se que você não pode raciocinar com psicose aguda
  2. A pessoa pode estar aterrorizada por seus próprios sentimentos de perda de controle
  3. Não expresse irritação ou raiva
  4. Não grite
  5. Não use sarcasmo como arma
  6. Diminua as distrações (desligue a TV, o rádio, as lâmpadas fluorescentes que zumbem, etc.)
  7. Peça a qualquer visitante casual que saia - quanto menos pessoas, melhor
  8. Evite contato visual direto contínuo
  9. Evite tocar na pessoa
  10. Sente-se e peça à pessoa que se sente também

Fonte: Bolsa Mundial de Esquizofrenia e Distúrbios Aliados

Dica 7: Explore as opções de hospedagem

Alguém com esquizofrenia precisa de um lugar estável e favorável para viver, mas encontrar a situação de vida correta pode ser um desafio.

  • Pode o seu amado cuidar de si mesmo?
  • Quanto apoio ele ou ela precisa com atividades diárias?
  • Seu ente querido tem um problema com drogas ou álcool?
  • Quanta supervisão de tratamento seu ente querido requer?

Vivendo com a família

Viver com a família pode ser uma boa opção para alguém com esquizofrenia se os membros da família compreenderem bem a doença, tiverem um forte sistema de apoio próprio e forem capazes de fornecer qualquer assistência necessária.

É menos provável que os arranjos domiciliares sejam bem-sucedidos se a pessoa com esquizofrenia usar drogas ou álcool, resistir à medicação ou for agressiva ou não cooperativa.

Escolhendo a opção de moradia certa para alguém com esquizofrenia
Adaptado de: Esquizofrenia: Um Manual para Famílias, Health Canada
Viver com a família funciona melhor se:
  • A pessoa com esquizofrenia funciona em um nível razoavelmente alto, consegue manter amizades e está envolvida em atividades fora de casa.
  • A interação entre os membros da família é relaxada.
  • A pessoa com esquizofrenia pretende aproveitar os serviços de suporte disponíveis.
  • A situação de vida não afeta negativamente a vida de qualquer criança pequena em casa.
Viver com a família não é aconselhável se:
  • O principal cuidador é solteiro, doente ou idoso.
  • A pessoa com esquizofrenia está tão doente que há poucas chances de levar uma vida familiar normal.
  • A situação provoca estresse no casamento ou deixa as crianças em casa sentindo-se assustadas e ressentidas.
  • A maioria dos eventos familiares gira em torno da pessoa com esquizofrenia.
  • Serviços de suporte estão indisponíveis.

Tente não se sentir culpado se você não estiver equipado para abrigar alguém com esquizofrenia. Se você não puder cuidar de suas próprias necessidades ou de outros membros da família enquanto cuida do seu ente querido, eles ficarão melhores em outro lugar.

Opções residenciais fora da casa da família

Se um arranjo de vida em casa não é o ajuste certo, explore as instalações residenciais em sua comunidade.

Opções na sua área podem incluir:

Instalações de tratamento residencial ou casas de atendimento 24 horas - Um ambiente de vida mais estruturado para aqueles que necessitam de maior assistência ou que sofrem um episódio psicótico agudo.

Casa de grupo transitória - Um programa intensivo que ajuda os indivíduos a voltarem para a sociedade e evitar recaídas após uma crise ou hospitalização.

Foster ou internatos - Uma situação de vida em grupo, oferecendo um grau de independência, enquanto fornece refeições e outras necessidades básicas.

Apartamentos supervisionados - Os moradores moram sozinhos ou dividem um apartamento, com funcionários disponíveis no local para prestar assistência e apoio.

Onde procurar ajuda

  • No NOS.ligue para 1-800-950-6264 ou visite o site NAMI.org
  • No Reino Unido, ligue para 0300 5000 927 ou visite Repensar: Esquizofrenia
  • Em Austrália, ligue para 1800 18 7263 da visita a Sane Australia
  • Em Canadá, Sociedade de Esquizofrenia do Canadá oferece links para sociedades regionais que oferecem linhas de apoio e serviços locais

Leitura recomendada

Esquizofrenia: A jornada para a recuperação (PDF) - Guia familiar para avaliação e tratamento da esquizofrenia. (Sociedade de Esquizofrenia do Canadá)

Lidando com Pensamentos Incomuns e Comportamentos (PDF) - Ficha informativa sobre como lidar com os sintomas e comportamentos da esquizofrenia em um ente querido. (Repensar)

60 dicas para ajudar as pessoas que têm esquizofrenia - Dicas para se comunicar com alguém que tem esquizofrenia, lidar com uma crise e evitar recaídas. (Esquizofrenia.com)

Encontrar uma boa opção residencial para alguém com doença mental grave - Fornece sugestões para escolher o arranjo de vida correto para alguém com esquizofrenia. (Esquizofrenia.com)

Autores: Melinda Smith, M.A., Lawrence Robinson e Jeanne Segal, Ph.D. Última atualização: novembro de 2018.

Loading...

Categorias Populares